Carregando

Com quantos anos você aprendeu a amarrar os seus cadarços?


13 de junho de 2018

Por Kátia Moro

Num domingo desses, me dediquei a uma pilha de revistas sobre educação que eu tenho levado de um lado para o outro, na esperança de conseguir tempo para fazer leituras reflexivas, naquele dia consegui! Apesar de gostar da facilidade e utilizar muito as TICs, ainda sou fã e adepta da boa revista!

Entre os muitos artigos que li naquele domingo, temas como os desafios do professor atual, as regras do ENEM, a Crise que chegou na escola, a visível obesidade curricular, entre outros, um tema em especial, me chamou atenção. O texto de uma página, intitulado: AUTONOMIA, foi escrito por uma professora mineira que lembrou, e muito bem, a relação existente entre a habilidade para amarrar os cadarços do tênis e o início da alfabetização escolar e é nesse tema que pego o gancho da professora mineira e tento trazer uma reflexão.

Teórica e historicamente, ambos os processos de aquisição acontecem na criança justamente na fase da Educação Infantil. Poderíamos começar analisando o cadarço. As professoras podem contar nas suas salas de aula, quantas crianças levam nos pés tênis com cadarço, e aqui eu lanço uma questão: Seria a indústria de calçados famílias para ensinar seus filhos a amarrem os cadarços; ou seriam as famílias que adquiriram tênis com velcro porque aproveitaram-se do facilitismo trazido pelas indústrias de calçados? Ora, como a política da culpabilização não gera resultado nenhum, não vale a pena estar aqui perdendo tempo com discussões infrutíferas, portanto, vamos pensar na prática diária da Educação Infantil.

Autonomia, termo que significa a capacidade de governar-se pelos próprios meios, ao contrário do que se pensa, não é uma característica a ser adquirida ao longo da vida, pois a autonomia nasce conosco; ela é sim, uma caraterística a ser desenvolvida e praticada. O exercício da autonomia acontece a partir de estratégias e meios proporcionados por pessoas mais experientes, nesse caso, os adultos que convivem com a criança (aquela criança que hoje não tem tido a oportunidade de aprender a amarrar os cadarços do seu tênis), mas porque fazer esta analogia?

Se pensarmos que para amarrar os cadarços a criança já deve ter desenvolvido conceitos de tomada de decisão (para perceber que é preciso parar o que está fazendo para amarrar os cadarços), senso de responsabilidade (para pensar que é perigoso andar com os cadarços desamarrados) e habilidade motora (para unir os dois cordões fazendo uma orelha de coelhinho passar por dentro da outra e apertar), é porque possivelmente ela também encontra-se num momento cognitivo propício para a alfabetização. Apesar desta propensão não ser uma regra, pode ser sim, um indicativo, uma pista, já que a professora da Educação Infantil é um radar, portanto, vive de pistas!

Para concluir de forma construtiva, deixo por hora, aos pais e professores, e me incluo neste universo, o convite à uma reflexão. Até que ponto nós podemos contribuir de maneira informal para o exercício da autonomia das nossas crianças, sem deixarmos esta responsabilidade totalmente ao profissional da Educação Infantil? Eu permito que a minha criança vá ao banheiro sozinha? Quantas vezes eu já deixei meu filho preparar sozinho o pão que ele come no café da manhã? Eu tenho permitido que o meu filho dobre seu pijama ao acordar? Será que eu tenho deixado meu filho responder sozinho às perguntas que os outros adultos fazem para ele? E por fim, quantas vezes eu tenho proporcionado ao meu filho ou ao meu aluno momentos desafiadores como amarrar os cadarços por exemplo?

A partir disso tudo, eu lanço a minha meta da semana: ensinar a minha filha de 5 anos a amarrar os cadarços do seu tênis!

Kátia Moro é Pedagoga pela Universidade Estadual de Ponta Grossa e Mestre em Educação pela Universidade do Minho (Portugal). É  Coordenadora Pedagógica – Educação Infantil no Colégio SEPAM – Ponta Grossa-PR.

Você está pronto para ser calouro?

SEPAM VESTIBULARES

EU ESTOU PRONTO

Notícias

Fique por dentro do Sepam!

Primeiro bazar de uniformes SEPAM reverte em recursos para ONG

7 de dezembro de 2018

O valor arrecadado foi integralmente destinado à Organização Não Governamental (ONG) Doutores Palhaços – SOS Alegria

 

Nesta semana, no Auditório do Colégio Sepam, a...

SAIBA MAIS+

Sepam é homenageado em evento que reconhece as maiores empresas de Ponta Grossa

5 de dezembro de 2018

Único colégio indicado na premiação, o Sepam está entre empresas que mais recolheram ISSQN

Nesta segunda-feira...

SAIBA MAIS+

Sepam promove tradicional Cantata de Natal

3 de dezembro de 2018

Apresentações são abertas ao público e acontecem em três noites 

Nesta semana, o Colégio Sepam realiza mais uma...

SAIBA MAIS+
Ver mais notícias

Fale conosco

Siga-nos nas redes sociais e fique por dentro do mundo Sepam